As tabelas seguintes aplicam-se no Continente, a rendimentos de trabalho dependente auferidos por solteiros, casados único titular e casados 2 titulares, e a rendimentos de pensões.

Encontre aqui a tabela de retenção na fonte de IRS em vigor desde 1 de julho de 2022, que lhe é aplicável:

Em termos de taxas aplicáveis em 2022, temos 3 períodos distintos: i) entre 1 de janeiro e 28 de fevereiro; ii) entre 1 de março e 30 de junho; e iii) desde 1 de julho. As tabelas apresentadas acima são as que se aplicam aos rendimentos recebidos a partir de 1 de julho de 2022.

As tabelas apresentadas são as que cobrem o maior número de contribuintes em Portugal. Se a tabela que lhe é aplicável, não consta, pode gravar no seu computador todas as tabelas de IRS, em vigor desde julho, na secção abaixo. Pode ainda gravar as que estiveram em vigor nos 2 períodos anteriores de 2022.

Tabelas IRS 2022 em PDF

Caso pretenda descarregar para o seu computador todas, ou algumas das tabelas de IRS que vigoram e/ou que já vigoraram no decurso de 2022, no Continente, faça-o nas ligaçõesseguintes:

Tabelas IRS 2022 em Excel

Se preferir, pode ainda gravar no seu computador as tabelas em vigor aplicáveis no Continente, em qualquer dos 3 períodos, em versão Excel:

Para que servem as tabelas de retenção na fonte de IRS

O que vulgarmente chamamos "Tabelas de IRS" chamam-se, na verdade, tabelas de retenção na fonte de IRS. 

A retenção na fonte de IRS, ou os descontos para o IRS efetuados todos os meses, baseiam-se nas chamadas "taxas de retenção na fonte de IRS", constantes de tabelas com o mesmo nome. Estas taxas são publicadas todos os anos e determinam, para diferentes níveis de rendimento bruto mensal, qual o valor a ser retido pela entidade patronal que, depois, o entrega ao Estado em nome do contribuinte. Daí o termo "retenção na fonte".

Então, a retenção na fonte, ou o desconto mensal para o IRS, serve como "adiantamento" ao Estado, por conta do imposto devido, a apurar no ano seguinte. Trabalhando, ou recebendo uma pensão em 14 meses, há 14 adiantamentos ao Estado.

É por essa razão que, aquando da entrega da declaração de IRS, é feito um "balanço deve / haver" entre o Estado e o contribuinte. 

Tomemos o exemplo de 2022. Ao longo do ano retém imposto mensalmente, de acordo com as tabelas de retenção na fonte de IRS. Na entrega da Declaração de IRS, em 2023, o Estado apura o imposto devido (com base nos escalões e taxas de IRS 2022) e compara-o com o valor que reteve ao longo do ano, a partir do seu salário.

Há reembolso de imposto quando reteve mais do que o imposto devido pela aplicação das taxas de IRS. Da situação inversa, resulta o pagamento de imposto. O Estado devolve-lhe dinheiro ou cobra-lhe o que falta.

Como ler as tabelas de retenção de IRS

Para encontrar a sua taxa de retenção deve ter em conta o seu ordenado e a sua situação fiscal e familiar. Isto porque as taxas de retenção na fonte a aplicar, variam em função

  • da remuneração mensal bruta;
  • do estado civil;
  • do número de dependentes; 
  • da residência (morada fiscal): Continente, Madeira ou Açores;
  • se tem ou não deficiência e se pertence às Forças Armadas. 

Existem 6 tabelas para trabalhadores dependentes (por conta de outrem) e cada uma delas apresenta vários níveis de remuneração mensal, para diferentes números de dependentes: de "sem dependentes" a "5 ou mais dependentes".

No início do nosso artigo apresentamos 3 das tabelas aplicáveis aos trabalhadores dependentes.

No caso dos pensionistas, as tabelas de retenção de IRS aplicáveis são 3:

  • pensões (a que apresentamos acima);
  • pensões de deficientes; e
  • pensões de titulares deficientes das Forças Armadas. 

As tabelas são também mais simples. Agregam os "casados / dois titulares ou não casados" e os "casados único titular", independentemente do número de dependentes.

Ler uma tabela de IRS e encontrar a taxa de retenção mensal aplicável é simples:

  1. Encontre a tabela aplicável ao seu caso concreto.
  2. Desça pela tabela até encontrar a linha da sua remuneração mensal bruta (coluna da esquerda).
  3. Depois, siga essa linha para a direita e pare no seu número de dependentes (0, 1, 2, 3, 4, 5 ou mais).
  4. Essa será a sua taxa de desconto.

Exemplo 1: o Pedro é casado (e ambos os cônjuges são titulares de rendimento), têm 2 filhos, residem no Continente. O João tem uma remuneração mensal bruta de 1.800 euros

Para determinar a taxa (quanto desconta de IRS) há que encontrar a tabela aplicável, descer na coluna de remuneração até encontrar a sua e "cruzar" com o n.º de dependentes.

No nosso exemplo, a tabela aplicável é a "Tabela III - Casado dois titulares" e a taxa de retenção na fonte é de 17,6% (linha de remuneração "até 1.887,00 Euros" e 2 dependentes).

Se tem dúvidas sobre o que é o "casado único titular" ou "casado dois titulares" consulte os nossos artigos Definição de casado único titular e IRS de casado, dois titulares de rendimento ou um titular de rendimento.

Exemplo 2: o Francisco é pensionista, casado, mas só ele tem rendimentos (a pensão) e reside no Continente. A sua pensão mensal bruta é de 1.250 euros. Qual a retenção na fonte mensal de IRS do Francisco?

A tabela aplicável é a "Tabela VII - Pensões" e a taxa de retenção na fonte é de 9,5% (linha de remuneração "até 1.337,00 Euros" / "Casado único titular").

Também aqui a leitura é semelhante: escolha o nível de rendimento, neste caso da pensão / reforma recebida, na coluna da esquerda e, depois, deslize para a direita nessa linha e escolha a taxa de "casado único titular".

Se ambos os cônjuges fossem titulares de rendimento, ou o Francisco fosse não casado, a coluna onde ler a taxa seria a da esquerda (a taxa seria de 13,8%). 

Tome nota: os pensionistas solteiros, viúvos, divorciados ou separados judicialmente de pessoas e bens são considerados, para efeitos das tabelas de retenção de IRS, como "não casados" (coluna da esquerda).

Se é pensionista, consulte também: Tabelas de retenção de IRS para pensionistas em 2022.

Saiba ainda como aplicar todos os descontos ao seu ordenado em Desconto mensal para IRS ou use a nossa Calculadora de Salário Líquido

Paula Vieira
Paula Vieira

Economista pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto. É consultora em processos de fusão e aquisição de empresas, finanças e gestão.