Salário mínimo nacional em 2017

O salário mínimo em Portugal é atualmente de 557 euros mensais.

Em janeiro de 2017 aumentou-se o salário mínimo em cerca de 5% em Portugal Continental. Este aumento foi de 27 euros.

Nos Açores, o salário mínimo é de 556,50 euros e na Madeira é de 540,60 euros mensais. 

Feitas as contas ao rendimento anual, um trabalhador que aufira o salário mínimo nacional tem uma remuneração de 7798 euros.

Se viver nos Açores, ganha 7792 euros. Um trabalhador que aufira o salário mínimo no arquipélago da Madeira aufere, anualmente, 7568 euros.

Veja quanto recebe à hora.

Apesar do aumento verificado em 2017, o salário mínimo português continua a ser um dos mais baixos da Europa.

Alguns salários mínimos noutros países:

  • Luxemburgo - 1874€
  • França - 1430€
  • Reino Unido - 1264€
  • Espanha - 753€
  • Grécia – 684€

Portugal não consegue claramente competir com os países europeus com os salários mais elevados.

Ainda assim, quando falamos de salário mínimo falamos do valor da retribuição mínima mensal garantida. Ou seja, corresponde apenas ao base de remuneração a que qualquer trabalhador tem direito por desempenhar funções a tempo inteiro. A estes 537 euros os trabalhadores deverão somar o subsídio de férias e o subsídio de Natal, a que também têm direito por lei. Quem recebe o salário mínimo não tem de fazer retenção de IRS segundo as tabelas de IRS.

Para gerir o montante disponível, aprenda a fazer render o salário e siga as nossas dicas para esticar o salário até ao fim do mês.

Se ainda assim não chegar, vá preparando o momento de renegociar o salário.

Salário mínimo em 2016

O salário mínimo mínimo em 2016 era de 530 euros

Em 2016 aumentou-se 5% ao salário mínimo, passando de 505 para 530 euros.

Anteriormente, o salário mínimo tinha aumentando em outubro de 2014. Na altura, aos 485 euros do salário mínimo congelados desde 2011 foram acrescidos 20 euros. 

O aumento do salário mínimo traz vantagens e desvantagens.

Para mais informações sobre Segurança Social, IRS, poupanças e emprego, siga a página de Facebook do Economias AQUI.