A idade traz sabedoria, mas mesmo os mais velhos cometem erros primários, quando a matéria é nova. Relativamente à matéria da reforma, estes são 5 erros comuns que os recém-reformados cometem.

1. Não ter planos para a reforma

Os casais devem planear como vão gastar o dinheiro na reforma e o que vão fazer com todo o tempo livre. A comunicação é essencial, mas o que acontece geralmente é não se fazer planos para o uso da reforma e discordar do gasto do dinheiro na reforma.

Preste atenção aos erros a evitar pelos casais antes de chegar à reforma.

2. Mudar de estilo de vida de imediato

Muitos recém-reformados fazem uma transição muita rápida entre o trabalho e a reforma, gastando dinheiro sem fazer um orçamento realista. Há quem compre uma nova casa e há quem compre uma caravana para viajar pelo país, por exemplo.

O recomendado é esperar um ano antes de se fazer grandes mudanças no estilo de vida.

3. Deixar de fazer investimentos

Pendurar as botas no trabalho não deve ser sinónimo de pendurar as bolsas nos investimentos. É verdade que se devem correr menos riscos na reforma, quando os rendimentos são mais curtos, mas ser demasiado conservador e deixar de fazer investimentos equivale a encurtar os ganhos. Como a esperança de vida é cada vez mais alta, um reformado pode ter facilmente duas décadas de vida pela frente, para as quais precisa de fundos.

Conheça formas de gerar rendimentos passivos.

4. Não poupar para as emergências

Grande parte dos reformados não poupa para o inesperado, precisamente por ser algo de imprevisto, não palpável. Pode parecer que na reforma a vida é mais simples e que já não existem grandes preocupações, mas existem sempre coisas para as quais se deve poupar por precaução.

5. Emprestar dinheiro à família

O instinto maternal e paternal leva muitos recém-reformados a emprestar dinheiro aos filhos em necessidade, sem pensar nas consequências desse empréstimo. A ideia é que o dinheiro emprestado seja devolvido um dia, mas muitas vezes isso não acontece.

Emprestar dinheiro a familiares é um assunto sensível, a deliberar com atenção.