Aprenda a defender-se das armadilhas de quem vende para o tentar fazer comprar o que eles querem e não o que você precisa.

Quantas vezes entra no supermercado e um produto lhe salta à vista pela forma como está exposto ou pelo preço promocional? Nem sempre é o mais barato dessa categoria, mas a forma apelativa como lhe é apresentado faz-lhe crer que sim. Ou então nem precisava e fica tentado a comprar para não desperdiçar a oportunidade. São provas inequívocas de que “o comércio é a arte de abusar do desejo ou da necessidade que alguém tem de alguma coisa”, conforme descreveu o escritor francês Jules de Goncourt.

Fazer contas

Os especialistas em poupança não se convencem facilmente. Até podem pegar no artigo destacado, mas isso não significa que o comprem. Quem quer e sabe poupar usa outra estratégia: chega ao corredor desse tipo de produtos, compara com os restantes e faz contas. Às vezes, um artigo com um desconto de 50% ainda fica mais caro do que outro de qualidade e tamanho equivalentes. Solução: recolocar a alegada pechincha na prateleira.

Ainda a este propósito, os mais atentos e imunes às estratégias de venda dos supermercados já conhecem alguns truques. Sabem, por exemplo, que ao nível dos olhos o consumidor encontra habitualmente as novidades ou os produtos mais caros. Porque quem compra com pressa vai direto a esses artigos. Já os que permitem poupar podem ser encontrados nas prateleiras mais abaixo. Daí a necessidade de algum tempo dedicado às compras para poder comparar as ofertas.

Ignorar as ofertas

“O homem / mulher conquista-se pelo estômago”. Apesar de se tratar de um ditado antigo, há supermercados que parecem fazer uso dele. Por exemplo, quando lhe oferecem produtos para provar. Desde as frutas descascadas e cortadas em pedaços aos novos sabores de iogurtes ou até salgadinhos prontos a comer. Porque é oferta, há quem aproveite e nem se aperceba que compra o que não precisava.

Uma forma de fugir a essa estratégia traiçoeira da superfície comercial poderá ser abdicar da prova. Será mais simples se não for às compras com fome. O ideal será após as refeições para não ceder à tentativa de lhe impingirem um produto.

Fazer compras online

Outra forma de evitar fugir às promoções estrategicamente posicionadas nos supermercados é deixar o olhar longe delas. Como? Fazendo as compras online. Desta forma, será mais fácil cingir-se à lista de compras e poupar. Até porque vê o valor da compra a subir e saberá quando deve parar.

Controlar os impulsos

Este é um comportamento essencial para poupar, sobretudo na zona das caixas, onde o consumidor passa longos períodos de tempo até pagar as suas compras. E é literalmente bombardeado, pela direita e pela esquerda, com chocolates, rebuçados, pastilhas elásticas e revistas. Olhar em frente, pensar apenas em terminar a transação e regressar a casa o mais depressa possível é a estratégia de resposta.

Mesmo que saiba usar estas estratégias de poupança para responder às estratégias traiçoeiras dos supermercados, certifique-se de que está realmente a poupar.