Mudar de residência pode implicar ou não o estabelecimento de novo contrato de fidelização. A resposta depende do serviço prestado ao cliente.

O que acontece quando se mantém o tarifário?

Se mudar de residência e mantiver as condições de serviço prestado, o cliente não tem de cancelar o seu contrato e de estabelecer um novo contrato com a sua operadora.

O processo é apenas de transferência de localização do serviço, devendo o cliente e o operador chegarem a acordo quanto aos termos da mudança (pagamento ou não de nova instalação).

Segundo a ANACOM, o cliente pode cancelar o contrato se não concordar com a proposta do operador para a nova morada, enquanto o operador pode pedir um pagamento pela cessação do contrato.

O que acontece quando se altera o serviço prestado?

A mudança de tecnologia implica já a refidelização de contrato. Segundo a nova lei das telecomunicações, se houver a atualização de equipamentos ou da infraestrutura tecnológica (como mais um telemóvel, ou a passagem de ADSL para fibra, por exemplo) com a expressa aceitação do consumidor, pode-se estabelecer um período adicional de fidelização, até ao limite de 24 meses.

O que fazer antes de mudar de morada?

O cliente deve informar-se junto do seu operador sobre a transferência de serviço entre moradas e quais as condições oferecidas na nova morada. O cliente também se pode informar sobre os serviços prestados pelos restantes operadores no mercado na nova área de residência.

Consulte um simulador de tarifário de internet e de televisão.

Sempre que não houver acordo com o operador, o cliente pode recorrer aos Centros de Informação Autárquicos ao Consumidor (CIAC), à Associação de Defesa ao Consumidor (DECO) e aos Centros de Arbitragem de Conflitos de Consumo ou aos Julgados de Paz.