Os rendimentos prediais são declarados no IRS e enquadrados na Categoria F de rendimentos. Para isso, os proprietários devem preencher o anexo F do Modelo 3 (apenas um por agregado familiar), e entregá-lo em maio.

Como preencher o Anexo F

Para cálculo do imposto, o contribuinte deverá incluir o valor das rendas auferidas no exercício económico anterior no quadro 4 do anexo F do IRS, relativo a rendimentos prediais.

Além do valor da renda, deve identificar o imóvel (freguesia, tipo, artigo e fração) e preencher os campos Retenções na Fonte de IRS e Entidade Retentora (NIF).

Apresente despesas para reduzir o imposto

Para minimizar o impacto destes rendimentos prediais no cálculo do IRS, e assim reduzir o que poderá ter de pagar ao fisco, o senhorio pode apresentar as seguintes despesas:

  • Pinturas (interiores e exteriores);
  • Reparação ou substituição do sistema elétrico ou da canalização;
  • Energia e manutenção dos elevadores;
  • Energia para iluminação, aquecimento ou climatização central;
  • Porteiros e limpezas;
  • Prémios de seguro de prédios e taxas autárquicas;
  • Segurança do imóvel;
  • Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI)
  • Seguro de incêndio;
  • Quotas com o condomínio.

Os encargos são também incluídos no anexo F, mas no quadro 5. São dedutíveis no IRS 30%, até um limite de 500 euros.

Veja como preencher o anexo F do IRS.

Englobamento ou taxa autónoma

Deduzidas estas despesas às receitas provenientes dos imóveis, o rendimento dos proprietários é tributado em IRS a 28%. Mas poderá ser taxado a uma taxa global de IRS se o sujeito passivo optar pelo englobamento com outros proveitos obtidos, uma situação também prevista pelas Finanças.

Leia ainda como declarar rendimentos prediais na categoria B.