Se pediu a demissão e não sabe o que fazer agora, o Economias ajuda-o a orientar-se. Sugerimos alguns passos após comunicar a decisão à empresa.

Se estava cansado do seu trabalho ou simplesmente encontrou algo mais motivador e pediu a demissão, siga as nossas dicas para conduzir o processo da melhor forma.

Continue a trabalhar

Antes de mais, se a entidade empregadora não lhe respondeu ainda se aceita o seu pedido, continue a desempenhar as suas tarefas normalmente. Não descure o seu trabalho, não se desleixe, porque poderá até receber uma contraproposta para ficar. Além disso, a lei fixa prazos para aviso prévio e durante esse período terá que continuar a prestar serviço a não ser que acorde com a entidade algo diferente, por exemplo, deduzindo dias de férias não gozados.

Faça as contas

Se cumpriu os prazos para a denúncia do contrato, enquanto aguarda a resposta do patrão pode ir fazendo contas ao que terá direito a receber na saída. Por norma, o trabalhador que pede a demissão cumprindo o aviso prévio estipulado por lei tem direito a receber o correspondente aos dias de férias não gozados e subsídio proporcional, o subsídio de Natal equivalente aos meses trabalhados nesse ano e a subsídio de férias correspondente a dois dias por cada mês trabalhado.

Arranje alternativa

Se pediu a demissão e não tem nada em vista comece a procurar rapidamente, para evitar problemas financeiros. Isto porque um pedido de demissão é considerado uma situação de desemprego voluntário, logo, sem direito a indemnização nem mesmo a subsídio de desemprego.

Para o ajudar nesse período após comunicar a decisão de saída à entidade empregadora, leia ainda quais os direitos na demissão previstos na lei.

Poderá ser também útil aprender a calcular o valor do pedido de demissão.