O Essencial da Medida Emprego Jovem Ativo

A medida Emprego Jovem Ativo foi criada pela Portaria n.º 150/2014 do Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, com o objetivo de permitir o desenvolvimento de experiências práticas em contexto de trabalho aos jovens desempregados.

A quem se destina o Emprego Jovem Ativo?

Esta medida aplica-se a dois distintos grupos de jovens entre os 18 e os 29 anos: os que não têm a escolaridade obrigatória, estando em situação de desfavorecimento face ao mercado de trabalho, e os que têm qualificação nível 6 ou superior (licenciatura).

Ambos não devem ter histórico de salário ou descontos há mais de 12 meses.

Qual o apoio do Emprego Jovem Ativo?

O programa garante aos participantes uma bolsa mensal paga pelo IEFP, que corresponde a 293,45€ no caso dos jovens menos qualificados e a 544,99€ no caso dos mais qualificados. É garantido ainda um subsídio de refeição pelo IEFP equivalente ao que é pago na instituição acolhedora (4,27€/dia por lei), assim como um seguro de acidentes pessoais.

Como funciona o Emprego Jovem Ativo?

Este programa deseja integrar socioprofissional os jovens no mercado de trabalho, sendo que os jovens menos qualificados (2 ou 3 por projeto) são colocados em ambiente de trabalho com um coordenador e um outro jovem de qualificação superior, a fim de se gerar uma aprendizagem em grupo. O projeto tem a duração de 6 meses e não almeja a ocupação de postos de trabalho já existentes.

Que empresas podem aderir?

Podem candidatar-se ao Emprego Jovem Ativo as empresas com ou sem fins lucrativos que tenham a situação regularizada perante as Finanças e a Segurança Social e que não tenham sido condenadas num processo-crime nos últimos dois anos.

A candidatura é feita no site Netemprego do IEFP.

Confira ainda os incentivos à contratação existentes.