Declaração de Juros no IRS

Está em dúvida se deve declarar os juros dos seus investimentos no IRS ou não? Faça as contas e tome uma decisão.

Juros e IRS

Os juros não são obrigatoriamente declarados no IRS, sendo já tributados na fonte. A taxa aplicável em Portugal aos juros dos depósitos é de 28% para pessoas singulares com domicílio fiscal no Continente e na Madeira e de 22,4% para as dos Açores.

Contudo, o contribuinte pode optar por declarar os juros no IRS, mesmo não estando obrigado a isso.

Englobar ou não englobar?

Se não englobar os juros com os outros rendimentos, não é necessário declarar os juros e não há nada a fazer relativamente ao imposto já pago.

A opção do englobamento no anexo E implica já declarar todos os rendimentos no IRS do mesmo tipo. Para apurar o imposto considera-se o total dos rendimentos, descontando-se o imposto retido previamente.

Se optar pelo englobamento, a taxa aplicada aos rendimentos deixa de ser a taxa de 28% e passa a ser a taxa do escalão de IRS do contribuinte. Quando a taxa de IRS for inferior, o contribuinte fica a ganhar com o englobamento.

Assim, quando os rendimentos coletáveis forem inferiores a 7.000 euros compensa englobar, pois a taxa a aplicar é de 14,5% (1º escalão). Se forem superiores já não compensa pois as taxas ultrapassam os 28% de taxas liberatórias (28,5% no segundo escalão, 37% no terceiro, e daí em diante).

Porém, muitos contribuintes no primeiro escalão podem ter rendimentos muitos baixos, que lhe isentam até de entregar o IRS. O englobamento de juros compensará quando houver lugar a pagamento do IRS no primeiro escalão.