Crédito ao Investimento no Turismo

Crédito ao Investimento no Turismo é uma linha com condições de financiamento específicas para projetos turísticos. Resulta de um protocolo entre o Turismo de Portugal e várias instituições bancárias.

Aumentar a oferta do sector em Portugal, mas também a qualidade, a competitividade e a inovação. São estes contributos que devem dar os projetos candidatos a esta linha de apoio à qualificação da oferta, com uma dotação de 120 milhões de euros.

A quem se dirige?

Podem candidatar-se a esta linha de crédito todas as empresas que pretendam investir na área do turismo, desde que licenciadas para exercer essa atividade. Para beneficiarem das condições de financiamento terão ainda de cumprir os seguintes requisitos:

  • Situação económico-financeira equilibrada;
  • Situação regularizada perante as Finanças, Segurança Social e Turismo de Portugal.

Os projetos candidatos ao crédito ao investimento no turismo devem enquadrar-se no Plano Estratégico Nacional do Turismo para os Produtos e Polos de Desenvolvimento Turísticos. Eis alguns exemplos:

  • Criação ou requalificação de empreendimentos turísticos;
  • Empreendimentos, equipamentos ou atividades de interesse para o turismo;
  • Criação ou requalificação de equipamentos de restauração de interesse para o turismo.

Condições de financiamento

Dos 120 milhões de euros que compõem esta linha de crédito, 60 milhões são alocados pelo Turismo de Portugal. Vejamos de que forma.

Cada empresa pode beneficiar de um montante máximo de financiamento correspondente a 75% do valor do investimento elegível. Caso se trate de uma candidatura de uma Pequena e Média Empresa (PME), o Turismo de Portugal contribui com metade e o banco a outra metade. Se a candidatura partir de uma empresa de maior dimensão, o apoio do organismo desce para 40%.

E porque se trata de um crédito concedido por uma instituição bancária, há prazos de reembolso definidos, consoante o tipo de projeto.

  • Novos empreendimentos hoteleiros e hotéis rurais – prazo de reembolso de 12 anos com um período de carência de 4;
  • Projetos de requalificação de empreendimentos – prazo de reembolso de 10 anos com período de carência de 3.

Eis os bancos a que podem recorrer as empresas na sequência do protocolo celebrado com o Turismo de Portugal: