Contabilização de Descoberto Bancário

A contabilização de descoberto bancário é feita consoante o número de dias com saldo negativo. E por cada dia a utilizar o crédito, o banco cobra-lhe os juros e imposto de selo.

Cómodos mas dispendiosos. Assim se pode classificar os descobertos bancários, sobretudo na hora de fazer a contabilização deste recurso. Seja autorizado ou não autorizado, vai pagar pelo empréstimo.

Juros sobre o número de dias

Quando tem a conta a negativo mas continua a pagar as contas está a utilizar o descoberto bancário. Como faz o banco a contabilização desse empréstimo? Aplicando juros diários ao valor concedido. Mais baixos nos primeiros dias, três vezes mais ao fim de 15 dias e ao fim de um mês com um custo seis vezes superior.

A taxa depende do tipo de conta, sendo que a taxa anual de encargos efetiva global (TAEG) varia entre os 11,9 e os 25,2%. Basta saber qual a taxa de juros aplicável pelo seu banco para calcular quanto terá de pagar se recorrer ao descoberto bancário autorizado. Habitualmente, as contas ordenado são mais baratas.

Em alguns casos até poderá não pagar nada. É o que acontece em algumas instituições que permitem o recurso ao descoberto bancário até um determinado limite e por um período de tempo também limitado sem custos acrescidos, sendo o saldo reposto assim que recebe o salário.

Exemplo de descoberto bancário

Vejamos o caso de um consumidor que recorre ao descoberto bancário para pagar a renda da casa no valor de 350,00 euros e só recebe o salário cinco dias depois. Pressupondo que o banco aplica a taxa de juro de 18%, pagará de juros por esse empréstimo 0,86 euros.

Como contabilizar? Primeiro, multiplica o saldo devedor pela taxa de juro correspondente. Depois, divide esse valor por 365 para saber quanto é cobrado diariamente. Para saber quanto deve, multiplica esse valor pelo número de dias de utilização do descoberto bancário.

Não autorizado sai mais caro

Se não negociou com o banco qualquer descoberto autorizado, prepare-se para pagar caro se o utilizar. A contabilização de descoberto bancário não autorizado é feita com base em taxas de juro mais elevadas. Ainda mais elevadas que a maioria das restantes opções de crédito.

Mas ainda não fica por aqui a contabilização de descoberto bancário. Seja qual for o valor gasto e os dias em que o utilizou, terá ainda de pagar ao banco o imposto de selo correspondente.

Leia mais sobre a comissão por descoberto adicional.