Ainda que a situação do país não esteja nos melhores dias para encontrar um novo emprego, ser despedido não é o fim. Quem sabe, até é uma oportunidade para mudar de vida. Para melhor enfrentar esse momento, deixamos-lhes algumas dicas sobre como sobreviver a um despedimento.

Manter a calma

Pode não parecer fácil de concretizar, sobretudo se o despedimento o apanhou de surpresa, mas é o primeiro passo para seguir em frente. Só com calma poderá redefinir a sua vida a nível profissional e financeiro.

Rever o orçamento familiar

Perder o salário mensal é uma das principais preocupações de quem é despedido. Para evitar uma situação de sobre endividamento, há que alterar o estilo de vida e os hábitos de consumo. Faça uma lista das despesas que tem, distinguindo as que são obrigatórias daquelas que pode cortar.

Manter os contactos

Ultrapassado o choque do despedimento, tente retomar o contacto com amigos ou antigos colegas. Um reencontro pode ajudá-lo a recuperar a auto-confiança. E se forem pessoas do seu meio profissional, poderão até ser úteis na abertura de portas para uma nova experiência.

Acordar cedo

Um dos piores inimigos de um desempregado é a cama. Sabe bem descansar, mas se ficar demasiado tempo em casa, sozinho, é maior a tentação de pensar nos problemas. E mais dificilmente se concentrará na procura de soluções. Por isso, mantenha a rotina de acordar cedo, como se fosse trabalhar. E organize o seu dia em torno do novo objetivo: voltar a trabalhar.

Procure ajuda

Na procura de uma nova oportunidade, não queira fazer tudo sozinho. As competências são suas, a ambição também, mas há empresas que o podem ajudar a definir a melhor estratégia para regressar ao mercado de trabalho. Equacione, por exemplo, um trabalho temporário, recorrendo às agências licenciadas pelo IEFP (Instituto do Emprego e Formação Profissional).

Definir um objetivo

Essa ajuda só será útil se for claro na sua mente o que quer fazer no futuro. É altura de clarificar se quer voltar a trabalhar por conta de outrem ou até arriscar um negócio próprio. Se for este o desígnio, conheça as medidas de apoio disponíveis.

Defina, também, as atividades que está disposto a desempenhar. Faça uma lista das empresas onde gostaria de trabalhar e do que estas teriam a ganhar se o contratassem.

Manter-se ativo

A passividade é o inimigo número um do sucesso. Se quer voltar a trabalhar, faça por isso. Procure oportunidades de emprego, responda a anúncios, envie candidaturas espontâneas, visite as empresas e mostre quão motivado está para trabalhar.

Aproveite também a disponibilidade de tempo para melhorar o currículo. Aposte na formação, para adquirir ou aprofundar conhecimentos. Ou dê um pouco de si a quem precisa, fazendo voluntariado. Esta é, habitualmente, uma experiência bastante valorizada pelas entidades empregadoras.