Em tempo de crise tenta-se poupar para conseguir suportar os custos mensais dos encargos familiares. O problema está em conseguir encontrar estratégias eficazes de poupança. O primeiro passo é alterar o estilo de vida, de forma a conseguir suportar o aumento do custo de vida.

Dicas para poupar em tempos de crise

  • Calcule o seu orçamento mensal, incluindo despesas correntes e anuais;
  • Faça uma previsão das despesas extraordinárias que tem todos os anos, como prendas, férias, reparações, manutenção de carros;
  • Analise o seu orçamento todos os meses e corrija-o se necessário;
  • Tente poupar algum dinheiro todos os meses para constituir um fundo de emergência com, pelo menos, três a seis vezes o seu rendimento mensal familiar;
  • Defina prioridades para os seus gastos e identifique as despesas indispensáveis e aquelas que pode reduzir;
  • Coloque de parte uma pequena quantia todos os meses, para os presentes de Natal ou para as férias;
  • Faças as refeições sempre em casa, incluindo o café;
  • Prefira produtos da época e da região;
  • Opte pelas frutas e produtos hortícolas a granel e experimente comprar diretamente ao produtor, se tiver possibilidade (na maioria dos casos o preço é mais baixo que no supermercado);
  • Se tem carro antigo, os seguros com a cobertura de danos próprios são desnecessários;
  • Se não tiver tempo durante a semana, prepare as refeições aos domingos e congele-as para a semana;
  • A tarifa bi-horária só é vantajosa se for integralmente cumprida;
  • Na ida ao supermercado leve a lista de compras e defina um valor máximo para gastar;
  • Não deixe os eletrodomésticos em stand-by;
  • As lâmpadas economizadoras permitem poupar entre 5€ e 10€ por ano;
  • Tome sempre duche e aproveite a água fria até esta aquecer;
  • Evite deixar a torneira aberta enquanto lava os dentes ou enquanto lava a loiça.

A poupança na água, eletricidade, gás e combustível são essenciais para conseguir reduzir o gasto mensal do agregado familiar. A poupança na compra de vestuário e calçado é uma das áreas onde as famílias mais cortam, a par da compra de jogos, livros e eletrodomésticos. Por outro lado, os gastos com alimentação tendem a não ser reduzidos, mas sim alterados, optando pela compra de produtos de marca branca e pela procura das melhores promoções.