Viver de ordenado em ordenado é um ciclo desgastante que não permite paz nem sossego ao trabalhador. Para o quebrar é preciso disciplina e organização.

Ordenado inferior

O primeiro passo para deixar de viver de ordenado em ordenado é imaginar que o ordenado é inferior ao que ele é realmente. Se gastar menos do que ganha, terá uma almofada financeira para o dia o dia e para eventuais despesas que possam surgir.
Com algum dinheiro na conta bancária ao fim do mês você já pode dormir mais descansado. Viver um pouco abaixo das possibilidades permite-lhe respirar mais folgadamente.

Criar depósito a prazo

O dinheiro que começa a conseguir poupar pode ir para uma conta de poupança a prazo que lhe ofereça juros interessantes. Guarde dinheiro para as suas despesas quotidianas mas direcione uma determinada percentagem do ordenado para um depósito a prazo.

Pagar empréstimos

A razão de viver de ordenado em ordenado pode estar nos créditos que contratou. Trace um plano para superar o endividamento e cumpra-o escrupulosamente. Uma vez pago um crédito, está na hora de passar para o seguinte.

Fazer orçamento

É importante também saber para onde o dinheiro está a ir, criando um orçamento para esse fim. Não precisa de ser em papel à moda antiga. Pode usar o Excel, o Google Docs ou aplicações de gestão de finanças para smartphone.

Cortar nos hábitos

Se mesmo assim continua a ser difícil viver com o ordenado que tem, então está na hora de tomar medidas drásticas. Pode trocar para um carro mais económico ou para uma casa mais barata. Pode deixar o ginásio e começar a usar os espaços verdes da cidade, mudar o tarifário das comunicações, internet e televisão, etc. O melhor plano de poupança fica ao seu critério.