O “Cheque-formação” do IEFP está também disponível para trabalhadores. Esta é uma medida do Governo que visa melhorar a empregabilidade dos desempregados e a qualificação dos trabalhadores portugueses.

Apoios

Os apoios do Cheque-formação a trabalhadores correspondem a 90% do valor da ação de formação, com um limite máximo de 87,5 euros. A candidatura aos apoios desta medida poderá ser realizada tanto pelo trabalhador como pela empresa. A medida entrou em vigor em agosto de 2015.

Destinatários

As candidaturas do Cheque-formação estão abertas a todas as entidades empregadoras coletivas ou singulares de direito privado, com ou sem fins lucrativos, que não se encontrem a usufruir de outras medidas de financiamento público no âmbito da qualificação e que reúnam os requisitos de regularização de formalidades e de dívidas ao Estado.

Ao contrário do que estava programado, os trabalhadores que não tenham ainda frequentado o número mínimo de 35 horas de formação, obrigatório na formação contínua de trabalhadores, podem entrar no programa Cheque-formação.

Formação

A formação tem de decorrer em horário laboral e ser escolhida dentro do grupo das áreas formativas estabelecidas como prioritárias pelo IEFP. A prioridade do IEFP são as unidades de formação de curta duração. As empresas podem candidatar-se a este apoio à formação até 175 euros por funcionário, de dois em dois anos.