Carro partilhado e boleias: conheça as alternativas a comprar carro

Começa a ouvir-se falar muito de partilha de carros e boleias enquanto alternativas a ter carro próprio. Com motivações económicas, mas também ecológicas, são tendências que vieram para ficar.

Existem diferentes tipos de soluções, que se adaptam a diferentes necessidades.

Carpooling ou boleias programadas

O Carpooling, ou sistema de boleias, é no fundo como quando um grupo de amigos partilha um carro para fazer uma viagem, dividindo os custos (gasóleo e portagens, habitualmente). Em casos de viagens frequentes, como a ida e volta para o local de trabalho, pode ainda fazer sentido alternar o carro entre os participantes. É uma ótima solução para rentabilizar o carro próprio, e uma excelente alternativa aos transportes públicos para quem não tem o seu carro.

Como funciona o carpooling

Existem diferentes sites (tais como o boleia.net ou o blablacar.pt) onde tanto os condutores como os passageiros podem anunciar as suas viagens e procurar parceiros de viagem. No boleia.net o contacto para acertar pormenores e o pagamento da viagem é feito diretamente entre os intervenientes, já no blablacar as transações são operadas através da plataforma da entidade, que cobra uma taxa pelas mesmas.

Em ambas as situações os anunciantes têm um perfil, onde podem partilhar informações sobre si próprios e onde constam avaliações de outros utilizadores, para segurança de todos.

Vantagens de carpooling ou boleias

Para além da poupança que se obtém ao partilhar o carro com alguém, salienta-se a economia de tempo para o utilizador que, em alternativa, iria utilizar transportes públicos, bem como a socialização promovida nas viagens, que é um aspeto muito valorizado pelas empresas anunciantes.

Outra vantagem deste sistema é que depende da oferta e da procura, pelo que tem abrangência nacional.

Car sharing  ou partilha de carros

O car sharing é um sistema de utilização partilhada de carros. Há as empresas que têm frota própria (mais usuais) e também empresas em que é possível anunciar a disponibilidade de carro próprio, rentabilizando assim a nossa viatura e promovendo uma maior flexibilidade relativamente à localização dos veículos.

A primeira empresa de car sharing no nosso país surgiu em 2008, mas acabou por encerrar em 2016 devido à falta de procura. No entanto, outras empresas acreditam que atualmente este é um negócio em crescimento. Isto acontece devido à mudança de paradigma das gerações mais novas, que já não valorizam tanto o carro como uma posse mas sim apenas como um meio de deslocação, assim como pelo aumento dos turistas enquanto potenciais clientes.

Como funciona o car sharing

Existem também diferentes plataformas de partilha de carros. A empresa mais antiga no mercado é a Citydrive, que opera em Lisboa desde. A DriveNow é mais recente, tendo iniciado a sua atividade em Lisboa em Setembro de 2017.

Nestas empresas o funcionamento depende de um registo a partir do qual o cliente pode verificar a localização dos carros disponíveis, reservar o carro que pretende e levantar. A diferença é que no caso da Citydrive os carros podem ser levantados e deixados em qualquer local no centro de Lisboa, incluindo lugares geridos pela EMEL (zona verde, amarela ou vermelha), enquanto que no caso da Drivenow os veículos devem ser deixados em locais de estacionamento público, dentro da área de operação.

Outra empresa é a BookingDrive, que tem a vantagem de operar a nível nacional, uma vez que não tem frota própria mas sim permite o registo e aluguer online de carros particulares sem condutor. Desta forma é possível combinar o local de levantamento e entrega do carro, o que torna este serviço mais flexível.

Vantagens do carsharing ou partilha de carros

No caso dos carros partilhados, não há a necessidade de conjugar destinos em comum, é um serviço flexível que permite alugar um carro por um certo período. 

Desvantagens do carsharing

A maior desvantagem é o facto de a oferta se concentrar na sua maioria no Centro de Lisboa, o que conduz a uma grande limitação geográfica. 

Podemos assim verificar que existem já alternativas muito interessantes à compra de um carro próprio, e também formas de rentabilizar o investimento já realizado na compra de um veículo. É importante estar atento e fazer as contas, considerando todos os fatores.