Brainstorming vs Brainswarming

Brainstorming e brainswarming. Qual delas a melhor estratégia para procurar novas ideias para um negócio? O Economias diz-lhe em que consiste cada uma destes conceitos e a diferença entre eles.

Gerar ideias é um conceito comum às duas formas. Mais do que isso, a possibilidade de gerar o maior número possível de ideias num curto espaço de tempo. Mas com formatos distintos. Ora vejamos.

Qual a diferença entre brainstorming e brainswarming?

No brainstorming, a mais antiga e mais popular estratégia, há que expressar essas ideias verbalmente.

No brainswarming, em vez de ditas, as ideias são esquematizadas num gráfico. Uma solução que se pode revelar mais eficaz já que afasta a possibilidade de os colaboradores mais introvertidos serem como que “dominados” pelos que têm maior à vontade e o dom da palavra.

O tempo do processo

O tempo investido é outro dos aspetos que pesa nesta análise de brainstorming vs brainswarming. Escusado será dizer que a apresentação oral das ideias geradas é, por norma, mais prolongada do que a apresentação em gráfico, uma vez que gera discussão. Já no brainswarming, cada um esquematiza as ideias em silêncio e sem intervenção do outro.

O controlo da discussão

Intervenção obrigatória é a da figura do facilitador, no caso do brainstorming, para colocar limites às discussões em torno das ideias propostas e evitar o domínio de alguns sobre outros. Esse líder torna-se desnecessário no brainswarming, já que as ideias apenas surgem no papel.

O resultado final

E eis um outro aspeto a não esquecer ao colocar o desafio brainstorming vs brainswarming. Porque o que se procura é a resposta para resolver um determinado problema,o brainstorming obriga, no final, a um resumo de tudo o que foi proposto. Este é trabalho que, nas técnicas de brainswarming também se dispensa, já que tudo vai ficando esquematizado enquanto decorre o processo gerador de ideias.