Aumento dos Descontos para a Segurança Social

O aumento dos descontos para a segurança social dos trabalhadores do setor público e privado foi uma medida anunciada a setembro de 2012, mas que não chegou a avançar. Em alternativa, procederam-se a alterações aos escalões de IRS em 2013 e à aplicação de uma sobretaxa extraordinária de 4% sobre o IRS.

Aumento dos descontos para a Segurança Social Cancelado

Com a mexida na Taxa Social Única inicialmente proposta, o valor dos descontos para a segurança social passaria de 11% para 18%. Quanto à contribuição das empresas, o valor passaria de 23,75% para a mesma percentagem dos trabalhadores do setor público e privado, 18%. Tal não aconteceu em 2013.

Exemplos práticos do aumento dos descontos para a Segurança Social

Eis alguns exemplos dos descontos que se passariam a praticar caso a medida tivesse avançado:

  • Um cidadão trabalhador, casado com 2 filhos, a ganhar mil euros de salário bruto mensal - passaria a pagar 70 euros por mês de descontos à segurança social, o que representa 1,3 salários líquidos mensais perdidos por ano.
  • Um cidadão na mesma situação, mas solteiro sem filhos - perderia mais ainda, podendo o valor dos descontos ascender aos 1,5 salários líquidos mensais por ano.
  • Um cidadão trabalhador, casado com 2 filhos, a ganhar mais de 5 mil euros por mês - perderia cerca de 1,8 salários líquidos mensais por ano.
  • Um cidadão na mesma situação, mas solteiro e sem filhos - perderia ainda mais, podendo o valor dos descontos ascender aos 1,9 salários líquidos mensais por ano.

Segundo o Governo, a redução da contribuição das empresas para a segurança social tinha vários objetivos: reduzir os custos e os preços, diminuir a taxa de desemprego e acabar com a fragilidade de algumas empresas, devolvendo-lhes estabilidade.