Se está indeciso entre regime simplificado de tributação e o ato isolado deve considerar as particularidades destes dois.

Ato isolado

Ato isolado vs regime simplificado é um confronto de decisão simples.

O ato isolado aconselha-se a quem tem de fazer um (ou dois) trabalho(s) esporádicos por ano. Na prática, é possível passar mais do que um ato isolado por ano.

Entre as vantagens do ato isolado encontra-se a não abertura de atividade independente e a isenção de pagamentos à Segurança Social, por exemplo. Ele dispensa muitas burocracias relacionadas com a atividade independente.

Como desvantagem temos a impossibilidade de deduzir despesas com a atividade, o que acontece noutro regime: em contabilidade organizada.

Regime simplificado

O regime simplificado recomenda-se a quem tem de realizar vários trabalhos como independente e tem poucas despesas com a atividade, já que estas não podem ser deduzidas. Quem abre atividade fica até automaticamente inscrito neste regime. Quando o valor de um ato isolado for superior a 25.000 euros é necessário fazer início de atividade.

Sempre que as receitas chegarem aos 200 mil euros anuais o regime tem de ser alterado para contabilidade organizada.

IRS: regime simplificado ou ato isolado

Ao preencher o anexo B do IRS anual tem de optar por "regime simplificado de tributação" e "ato isolado", no quadro 1. Se o trabalhador independente tem atividade aberta e passou vários recibos verdes (além de um ato isolado) ele deve selecionar a primeira opção e somar todos os recibos (incluindo o ato isolado).

Quem não abriu atividade e passou apenas ato(s) isolado(s) deve escolher a segunda opção.