7 Pecados Financeiros de uma Empresa

Os 7 pecados capitais podem condenar uma alma depois da morte do seu corpo. Já os 7 pecados capitais financeiros podem condenar uma empresa à falência, despojando-a de corpo, num futuro bem próximo.

Falta de controlo financeiro

Um erro financeiro comum é a falta de análise e de controlo financeiro. Não basta olhar para o negócio como um todo e saber qual o lucro e qual o prejuízo total, por exemplo. É necessário saber de onde vem o lucro e como, assim como descobrir para onde vão os gastos, com exatidão, para gerir convenientemente uma empresa.

Este erro pode corresponder ao pecado capital da preguiça, pois está ao alcance de qualquer empresa.

Financiamento descontrolado

Algumas empresas obtêm empréstimos de forma descontrolada, saciando as despesas presentes mas aumentando as dívidas e as probabilidades de sofrer complicações financeiras no futuro. Poucas vezes são estudadas as reais necessidades da empresa, as prioridades de pagamento e as melhores condições oferecidas pelo mercado bancário.

É um pecado capital, de gula, que pode levar ao encerramento de uma empresa, dado o nível de dívidas gerado.

Mistura financeira

Se não houver separação das contas da empresa e das contas pessoais dos sócios, não se sabe o verdadeiro resultado financeiro de uma empresa. Se o empresário retira o seu salário dos rendimentos da empresa e consegue pagar as contas com estes, ele pode advogar com orgulho que o negócio corre bem, mas na verdade pode estar mas é a levar a empresa para o buraco, ao contrair dívidas atrás de dívidas.

Esquecer o mercado

Se uma empresa se encontra numa boa situação financeira e não se mantém constantemente ao corrente do mercado onde atua, é bem possível que pela sua avareza se afunde em determinada situação, mais tarde ou mais cedo. Se esquece o mercado e o cliente, a empresa é capaz de ser também esquecida pelo cliente.

O cenário económico está sempre a mudar, assim como os seus intervenientes e a forma de atuar no mesmo, pelo que é necessário prestar atenção a todos os sinais de mudança.

Remuneração

A luxúria de ordenados pode ser capital para uma empresa, pois uma remuneração elevada dos sócios, desproporcional à situação financeira real da empresa, terá resultados desastrosos.

É imperial definir uma percentagem dos lucros para atribuir com moderação aos sócios.

Investimento mal planeado

Se uma empresa partir para investimentos por impulso, usando a emoção em vez da razão, ela pode estar a dar um tiro no próprio pé. É necessário não investir com “ira”, mas sim saber escolher o investimento a fazer, ter em consideração as verdadeiras necessidades operacionais do empreendimento e prever todos os riscos associados.

Estipular preços errados

Se uma empresa adorar altas margens de lucros e estipular preços elevados por inveja dos lucros da concorrência, pode estar também a entrar no caminho para a perdição económica.

Para definir os preços de um produto ou serviço é preciso prestar atenção à concorrência, mas saber também o real valor do produto, os seus custos totais e estudar o potencial de mercado, chegando por fim a um preço que permita à empresa obter algum lucro.