6 Erros financeiros dos trabalhadores independentes

Os trabalhadores independentes podem cometer erros financeiros sem sequer se aperceberem do facto. Com tantas obrigações em mãos, por vezes torna-se difícil pensar em tudo e cumprir com tudo o que é requisitado.

1. Não ter seguro de trabalho

É obrigatório um seguro de trabalho para trabalhadores independentes. Mesmo que estes trabalhem em casa e não corram grandes riscos no desempenho do trabalho, o seguro de trabalho é ainda assim exigido por lei.

Outra obrigação muitas vezes esquecida diz respeito aos livros de registo.

2. Não fazer retenção de IRS

Para rendimentos anuais inferiores a 10.000 euros é possível optar entre fazer ou não retenção na fonte de IRS. Deste valor para cima é obrigatório proceder à retenção na fonte nos recibos verdes emitidos pelos trabalhadores independentes.

3. Não pagar IVA

Não se reunindo as condições para a isenção de IVA, é necessário cobrar IVA nos serviços prestados e pagar o mesmo imposto ao Estado, depois de preenchida a declaração periódica de IVA.

4. Não declarar IRS devidamente

Ao abrir atividade e receber rendimentos de categoria B, o trabalhador independente deve preencher a declaração de IRS anual e preencher anexos específicos como o anexo B (ou o anexo C) e o anexo SS, que serve para enquadrar o trabalhador independente nas contribuições para a Segurança Social.

5. Não poupar para a reforma

Outro erro financeiro que o trabalhador independente pode cometer é não poupar para a reforma. Mesmo que ele já contribua mensalmente para a Segurança Social, os seus descontos podem ser reduzidos e insuficientes para garantir uma reforma.

6. Não poupar para emergências

Um erro comum a todos os tipos de trabalhadores é não poupar por precaução para as emergências. No caso dos trabalhadores independentes, onde os apoios sociais como o subsídio de desemprego são mais difíceis de se obter, este cuidado ganha um peso especial.

Evite os principais erros de quem trabalha casa.